Skip to main content

Os museus desempenham um papel fundamental na preservação e divulgação da história e da cultura de uma sociedade. No entanto, muitos pequenos museus enfrentam desafios significativos quando se trata de preservação de objetos históricos e artefatos culturais. Felizmente, a tecnologia de digitalização 3D pode ser a resposta para esses desafios.

De acordo com um recente artigo publicado em Fabbaloo, a digitalização 3D é uma tecnologia valiosa para pequenos museus que desejam preservar e divulgar o seu património. Com a digitalização 3D, os museus podem criar réplicas virtuais dos objetos históricos, permitindo que o público explore os artefatos em detalhes, independentemente da sua localização geográfica.

Além disso, a digitalização 3D pode ser utilizada para a documentação dos objetos do seu património. A captura digital de alta resolução permite que os objetos sejam registrados em detalhes precisos, fornecendo um registro digital permanente para referência futura e garantindo que a história e a cultura sejam preservadas para as gerações futuras.

Segundo o artigo, a digitalização 3D pode ser particularmente útil para pequenos museus, que muitas vezes enfrentam restrições orçamentárias e de espaço físico. Em vez de armazenar objetos históricos físicos, que podem estar sujeitos a danos, as réplicas digitais podem ser armazenadas em um espaço mínimo e com custos muito mais baixos.

Com a digitalização 3D, pequenos museus podem expandir seu alcance e acessibilidade a públicos em todo o mundo, além de preservar sua história e cultura.

Indo a caso práticos, em 2018, ocorreu um incêndio no Museu Nacional do Brasil, no Rio de Janeiro, no qual praticamente todos os artefactos foram destruídos. Se o museu tivesse digitalizado a sua coleção em 3D, pelo menos alguma informação sobre os objetos poderia ter sido preservada para as gerações futuras e réplicas poderiam ter sido impressas em 3D. No entanto, parece que poucos ou nenhum objeto foi digitalizado. Após este acontecimento, a maioria dos grandes museus começou a digitalizar secretamente as suas coleções, embora a maioria das digitalizações não esteja disponível ao público. Há, no entanto, exemplos de museus locais mais pequenos que digitalizaram as suas coleções, incluindo o Heritage North Museum e o Snow Lake mining museum, ambos em Manitoba, Canadá.